quinta-feira, 10 de março de 2011

É oficial: chegou à fase do bater.

Quando tem sono começa a fazer asneirolas. Levanta a mão por tudo e por nada, bate ao pai e à mãe e ao avô e a quem estiver à frente dele. Não pode ser, claro está. Já sei que é a forma de ele se expressar já que não o faz verbalmente. Já sei que é uma fase e que passa. Mas ainda assim não pode ser.

Ralho-lhe num tom de voz forte e ligeiramente mais alto que o normal (sem gritar). Agarro-lhe os braços com alguma força (sem magoar, óbvio). Digo que assim é mau e que a mãe fica zangada. Ele faz o beicinho mais lindo que alguma vez já vi, o lábio de baixo começa a tremelicar como quem vai chorar mas aguenta estoicamente. Às vezes é suficiente e lá nos faz uma festinha ou um "trrimmm" no nariz como quem diz "Esquece lá isso e vamos brincar".

Outras vezes a birra prossegue e aí vai para o berço, sózinho, de castigo. Chora, fica sentido, e passado um bocado lá se acalma. Aí nós, que estamos à porta à escuta, vamos ter com ele e dizemos que ele não pode ser mau e não pode magoar o papá e a mamã. Faz-nos uma festinha e lá se resolve o caso. Será que este método é eficiente? Alguma sugestão?

4 comentários:

Cati disse...

Acho muito bem esse método, só com um senão, se me permites a opinião: o lugar do castigo talvez não devesse ser o berço, não vá ele associar a hora de dormir ao castigo. Adoro essa técnica e concordo com o facto de ter de ser agora, que são pequeninos, que temos de começar a dar disciplina. Eu também tenho uma gatita lá em casa que às vezes se assanha... Assunto para post!!! Quanto a uma alternativa para o lugar do castigo, uma amiga minha, cujo filho fez 2 anos agora, arranjou uma "mantinha do castigo" no quarto dele.
Beijoca grande!

Patricia disse...

Querida não há estratégias perfeitas. Se resulta, continua. É uma fase, sim, que passa. Mas é bom que eles percebam u não se faz. Bjcas

Pat disse...

O meu é da mesma forma que o teu LOL!! Faz exactamente isso. Eu optei por não castigar. Normalmente ignoro, principalmente nos momentos em que sei que ele nem se apercebe do que está a fazer. Mas quando sei que o faz por "maldade" repreendo-o e digo-lhe que não deve fazer (às vezes tb uso essa de segurar o braço com firmeza...parece que nós tb somos da mesma forma!!!LOL). Claro que tb faz um beicinho liiindo do tamanho do mundo, mas deixo-o ficar assim sem lhe dizer mais nada. Não lhe posso ainda exigir que peça desculpa, pois não fala nada. Vamos indo e vamos vendo.
Concordo com a Patrícia quando diz "não há estratégias perfeitas. Se resulta, continua"

Mami ( Sónia ) disse...

Não existe técnica perfeita, temos de encontra uma que resulte com os nossos filhos e se essa resulta continua!
Beijos