sábado, 26 de janeiro de 2013

Serralves

O João adora ir a Serralves. Meter as mãos nos lagos centrais, passear nos grandes corredores do museu e descobrir o que há por lá. Ver os patos no lago e os outros animais no prado. Trepar a troncos e pedras, apanhar ouriços, folhas, castanhas, bolotas, tudo. Participar no Serralves em Festa, na Festa do Outono, ou simplesmente passar um fim de tarde por lá.

Noutro dia foi lá com a escola. Estava todo entusiasmado porque ia mostrar aos amigos as coisas que havia para ver em Serralves. Quando voltou perguntei-lhe como correu: "Não pude mostrar aos meus amigos nem o lago dos patos! Não pudemos ver nada... " Gostou, mas o que ele queria era partilhar com os outros aquilo que ele tão bem conhecia. :-)

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Mais um susto

Ontem toca o telefone à hora de almoço. No visor o número da escola. Ao final do dia e em dias em que está constipado, isso significa febre. Menos mal. Mas a meio do dia? Isso significa coração aos pulos.

Uma coleguinha trilhou-lhe um dedo. Na porta do quarto de banho. O dedo mindinho ficou mesmo espalmado, soube hoje. Puseram gelo? Sim. Mas mexe bem, não há necessidade de ir ao hospital. Foi sem querer. Nem sei como aconteceu. São coisas que acontecem, disse eu, mas vou pedir ao avô que o vá buscar para ter muito mimo de tarde (e para que alguém dos meus veja com os próprios olhos, mas isso não disse).

Não parecia muito mau. Um pouco inchado, mas ele mexia de facto o dedo. À cautela marquei para o pediatra e aproveitei para fazer a consulta dos três anos e meio (isso existe? Nem sei bem!). O pediatra assugurou que é muito dificil partir um dedo com um entalar numa porta, mas como estava um pouco inchado era melhor fazer um raio-x. Se fosse meu neto faria, disse ele. Então vamos fazer. Não estava partido. Mas tirou duas "fotografias" que ficaram para recordação. E que bem que se portou.

Hoje de manhã lá foi ele para a escola, de dedo esticado, com um penso do Pocoyo enrolado no dedo. Não faz falta nenhuma, mas assim vê-se melhor. Para que não lhe entalem outro hoje. :-)

PS: e continuamos a ter um menino muito crescido (103cm) mas um peso pluma (16,4 kg). Está óptimo!

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Autonomia

Desde há bastante tempo que o João é autónomo para fazer utilizar o quarto de banho. No entanto gostava sempre da nossa companhia e/ou ajuda ou pelo menos de nos comunicar que precisava de ir ao quarto de banho. Desde há uns 15 dias que já não nos comunica nada. Vemo-lo levantar, ir até ao quarto de banho, levantar a tampa da sanita e fazer o seu xixi. É nestas pequenas coisas que vemos que eles crescem todos os dias.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Quando eu era pequenino

O João é, aparentemente, muito crescido. Passa os dias a relembrar outros dias de quando era pequenino.

"Quando eu era pequenino e tinha zero anos não tinha dentes. Quando eu era pequenino e tinha um ano ainda usava chupeta. Quando eu era pequenino e tinha dois anos estava na escola da Vera. Quando eu era pequenino e tinha..."

Acho deliciosa esta história dele achar que já não é pequenino.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

O João é um menino fácil

É fácil de convencer a fazer o que queremos (embora seja teimosinho). É, regra geral, bem comportado e educado. Mas não é rapaz de dar beijos a terceiros a nosso pedido, lá isso não é. É timido e não é menino de sorriso aberto para quem não conhece, mas é capaz de fazer a cara mais deliciosa de provocação assim como quem diz "Eu estou a fazer de conta que tenho vergonha mas estou a adorar que te metas comigo". Não risca nas paredes, não parte coisas, nem diz asneiras (ainda?). Pede autorização quando quer abrir um brinquedo novo ou brincar com alguma coisa que lhe esteja interdita (mesmo que esteja ao alcance dele). Gosta da escola e dos amigos. Não gosta muito de novidades radicais nem de sítios diferentes, prefere as rotinas dele. Brinca muito mas deviamos ter mais tempo para brincar ainda mais com ele. Adora o parque infantil, jogar à bola e o ar livre no geral. Gosta de ir dormir ao hotel (seja ele qual for). Não gosta muito de ser elogiado, fica algo envergonhado. É muito, muito sensivel embora nem todos se apercebam. É muito cautelososo. Adora carros, comboios, aviões, pistas. Não gosta de motas: só ao longe porque fazem muito barulho. Começa as conversas com "Sabes mamã, ..." e termina muitas vezes com "...é, pois é mamã?" Gosta de cães e gatos, mas tem medo quando se aproximam demasiado. Gosta de ajudar em tudo: cozinhar, varrer, meter a louça na máquina. E eu aproveito. Nunca quer tomar banho, mas depois de lá estar nunca quer sair. Adora puzzles e livros. E a Ovelha Choné, o Chuggington, o Uki, o Thomas, o Mickey, o Timmy, os Little Einsteins, o Bob o Contrutor, etc. Detesta os Gormitis e alguns desenhos animados onde aparece o lobo mau (ou outro personagem mau). Chora que nem um desalmado quando vê algo do género. Está a passar o segundo Outono e Inverno sem maleitas (shhhhh, não comemoremos antes do tempo). Vai à casa de banho sózinho. Não se veste sózinho por preguiça  (comodidade) dos pais, mas temos que resolver isso. O mesmo vale para o leite por biberão. Cada vez que apanha uma chupeta esquecida num canto (tinha tantas!) deita-a no caixote do lixo. Já não as usa há mais de um ano. Adora brincar na praia. E passear. Voltou a usar fralda à noite depois de a ter deixado uns meses largos sem descuidos. Passa a vida a dizer "Quando eu tiver 100 anos vou fazer..." e também que quando ele for crescido nós vamos ficar bebés. Ou a recordar tempos de quando era pequenino. Adora ver fotografias. E ouvir música. Fala muito e bem. Muito explicadinho. Televisão, dvd e box não têm segredos para ele. O telemóvel também não. E começa, com a nossa presença, a mexer no computador. Adora escrever no pc os nossos nomes (ditando-lhe as letras, claro), os números, etc. Tem diálogos iguais aos que vê nos desenhos animados e está em plena época do faz de conta. "É a fingir, mamã." diz ele amiúde. A palavra da ordem é o não. Partilha muito bem as coisas dele com as outras crianças. Incentiva-as a brincar com os brinquedos dele. Não compreende quando os outros meninos não são assim. Dá beijos quentinhos e abraços grandes. É lindo. E faz hoje três anos e meio.

Piquenique

Há algum tempo que o João nos pede para fazer um piquenique. O tempo não tem ajudado e por isso estamos sempre a dizer que um dia o fazemos.
Ontem foi o dia! Montamos o piquenique no tapete da sala com tudo o que tinhamos direito... só as formigas não foram convidadas. E ele adorou.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Curtas ainda do Natal

- Quando viu duas prendas debaixo da nossa árvore de Natal disse logo que só uma era para ele. "A deve ser para a Matilde, porque o Pai Natal só pode trazer uma prenda a cada menino" (senão os outros meninos ficam sem prendas)

- Quando o avô paterno lhe deu uma nota verdinha pegou nela e entregou-ma dizendo: "Toma mamã, toma para ires ao Continente comprar ervilhas pequeninas para mim." (ervilhas pequeninas são lentilhas e ele adora)

- Assim que o Pai Natal entrou em casa dos nossos primos desatou num berreiro. Nem se quis aproximar. Depois de uma primeira prenda aceite a custo, já aceitou bem a segunda e à terceira até se despediu com um beijo.

- Continua a preferir o meu presépio ao presépio todo giro (e inquebrável) que lhe comprei da Playmobil.

- Ficou mal habituado aos fins de semana grandes em casa... e eu também.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

O João e o circo

O João estranha muitos sítios. Em especial se forem escuros e tiverem música alta ou outros sons altos. Estranha os espectáculos na Casa da Música, estranhou o recinto da Festa de Natal (e no ano anterior, e no outro, e no outro), etc. E assim que nos ouviu falar em circo dediciu que não gostava e que não queria ir. Mas fomos, que estas coisas têm que ser ultrapassadas.

Depois de um susto incial quando o apresentador grita (literalmente) aos nossos ouvidos "SENHORAS E SENHORES, MENINAS E MENINOS!", foi muito giro vê-lo descolar do meu colo e prestar imensa atenção a trapezistas, malabaristas, animais, palhaços, etc. Acho que não percebeu metade das piadas dos palhaços, mas riu-se às gargalhadas com as asneirolas que eles faziam. O único que lhe passou completamente ao lado foi o espectáculo de magia, não ligou nenhuma.

No final, depois de insistir que não tinha gostado (Pois,pois! Teimosinho... a quem sairá?) ainda teve tempo para dar uma volta no amigo do Faísca nos carroceis estratégicamente montados à porta do circo. Para o ano há mais!