sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Mais um susto

Ontem toca o telefone à hora de almoço. No visor o número da escola. Ao final do dia e em dias em que está constipado, isso significa febre. Menos mal. Mas a meio do dia? Isso significa coração aos pulos.

Uma coleguinha trilhou-lhe um dedo. Na porta do quarto de banho. O dedo mindinho ficou mesmo espalmado, soube hoje. Puseram gelo? Sim. Mas mexe bem, não há necessidade de ir ao hospital. Foi sem querer. Nem sei como aconteceu. São coisas que acontecem, disse eu, mas vou pedir ao avô que o vá buscar para ter muito mimo de tarde (e para que alguém dos meus veja com os próprios olhos, mas isso não disse).

Não parecia muito mau. Um pouco inchado, mas ele mexia de facto o dedo. À cautela marquei para o pediatra e aproveitei para fazer a consulta dos três anos e meio (isso existe? Nem sei bem!). O pediatra assugurou que é muito dificil partir um dedo com um entalar numa porta, mas como estava um pouco inchado era melhor fazer um raio-x. Se fosse meu neto faria, disse ele. Então vamos fazer. Não estava partido. Mas tirou duas "fotografias" que ficaram para recordação. E que bem que se portou.

Hoje de manhã lá foi ele para a escola, de dedo esticado, com um penso do Pocoyo enrolado no dedo. Não faz falta nenhuma, mas assim vê-se melhor. Para que não lhe entalem outro hoje. :-)

PS: e continuamos a ter um menino muito crescido (103cm) mas um peso pluma (16,4 kg). Está óptimo!

1 comentário:

Pat disse...

Que aventura!! terminou o melhor possivel, portanto tudo ótpimo!!