quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Educação

Todos os livros da especialidade referem que os bebés e crianças devem ter rotinas bem definidas. Que essas rotinas lhes dão segurança porque sabem o que se vai passar a seguir. E eles devem sempre saber o que se passa a seguir. Por exemplo, o banho, o jantar e uns minutos de brincadeira supostamente indicam ao João que a seguir é hora de tomar o leite e dormir. Eu concordo... sempre com a máxima em mente de que a excepção faz a regra.

O João têm algumas rotinas que surgem essencialmente dos pais trabalharem. O banho, o jantar, a meia hora de brincadeira com os pais antes de dormir é uma delas. Ao fim da tarde não há tempo para mais e assim organizamo-nos melhor. Tem resultado, não sei bem se por acaso ou se devido à rotina. O que é certo é que em 5 minutos ele está a dormir sózinho e no quarto dele.

Tem outras rotinas definidas pelo Avô que o vai buscar à creche. Iogurte e bolacha, um episódio do Pocoyo, a seguir brincadeira e depois uma sesta.. Pois não é que o rapaz, depois do iogurte, aguarda pacientemente na cadeira pelo Pocoyo? Mas mal termina o episódio começa logo a gemer porque quer ir para o chão brincar. E quando se cansa encosta-se ao Avô e aninha-se no seu colo para dormir um bocadinho. Porque já sabe que é assim todos os dias. Faz sentido.

E tem as rotinas da escola. A educadora diz que ele já sabe qual o colchão dele dormir e o dos outros meninos. E que já sabe que se acordar mais cedo da sesta não se pode levantar, só quando a educadora deixar. Entre outras coisas. A escola é muito eficaz na definição de rotinas, sem dúvida.

Mas também sou apologista que quebrar essas rotinas de vez em quando não faz mal a ninguém, muito pelo contrário. Ao fim de semana a rotina do João muda um bom bocado e se formos para fora mais ainda. E isso não faz dele um menino infeliz ou inseguro (pelo menos para já). Faz de nós todos uma família feliz. E isso é que importa.



(sim, ando a ler um bocado sobre como educar uma criança com bom senso... e depois tenho que pensar sobre o que leio e adaptar à nossa realidade)

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Linguagem

Noutro dia lia num livro que os bebés da idade do João já deveriam dizer oito a dez palavras. Ora mamã, papá, olá.... brrrrrbrrrbrrr, hummmm, aiaiaiaiaia, será que contam?

Ele é muito patareco para falar. Ou preguiçoso. Mas é delicioso vê-lo descobrir a linguagem. Na última semana repetia sem fim a palavra "papá" num tom baixinho, quase inaudivel, como se estivesse a treinar para depois a dizer alto e bom som de um modo perfeito. E já diz.

No entanto expressa-se de forma muito explicadinha. Ainda hoje de manhã, enquanto o vestia, todo ele se inclinava e apontava para uma escova de dentes que estava no parapeito da janela (sim, estava num sítio estranho para uma escova de dentes, mas é por ser o brinquedo preferido do João nos dias que correm). Nós bem dizemos: "O que é João? É o creme? É a chupeta? É a bola? É o carro? É a escova?". Tentamos desta forma incentivá-lo a falar para evitar que ele se limite a apontar para aquilo que quer. Mas, para já, nada feito. Certamento o nosso esforço dará frutos no futuro!

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Picadas de mosquitos

Nunca abro as janelas depois de anoitecer com luzes acesas.

No quarto do João tenho um destes:


Antes de dormir ainda lhe ponho este no contorno do berço e nos lençóis:



E mesmo assim, de vez em quando, o rapaz acorda picado pelos mosquitos. É um desespero porque ele fica muito marcado, com um vermelhão enorme que até parece queimado. E o mais estranho é que de manhã parece uma picada de mosquito normal e ao longo do dia é que incha e fica muito vermelho.

Noutro dia a educadora ficou muito aflita porque ele tinha acordado depois da sesta com duas manchas enormes na bochecha direita. Se eu não tivesse visto a picada (que mal se notava) de manhã também me assustava. Ele não coça a zona picada, não parece dar comichão. Não pode ser por isso que piora ao longo do dia.

O pediatra disse que ele era simplesmente mais sensível às picadas de insectos e que não havia muito a fazer. Deveria por Fenistil e, caso quisesse, dar Fenistil em gotas para ajudar a evitar o agravamento dos sintomas. Mas não resulta.

Ele foi mordido na segunda feira da semana passada e ainda tem duas manchas vermelhas na cara. Obviamente já não são vermelho vivo, mas ainda se nota mesmo muito. E vai notar por mais uns largos dias. Ontem estava assim (só se vê uma: na bochecha, mais perto da orelha):



Alguma sugestão? Algum produto milagroso que evite o agravamento das picadas de mosquitos? Alguma ideia? A gerência aqui do sítio agradece!

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Doentinho

O meu pequenino está doentinho: nariz muito ranhoso e imensa tosse. Teve febre baixinha na 5ª e 6ª feira mas já passou. Apesar disso come bem, dorme melhor e ri e brinca muito, por isso estamos tranquilos.
No entanto tem dois papinhos vermelhos na língua (que não são aftas) que nos fizeram dar um salto ao médico. Mas felizmente não são nada de especial. Uma virose que apanhou (provavelmente) no infantário e que já passou ao pai que tem os mesmos papos que ele. Antes ao pai do que à mãe! Assim é que é meu rico filho! :-)

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Modernidades

O que vai pensar de mim o meu filho quando lhe explicar que

- gravava trabalhos da escola em disquetes com capacidade para 1,44MB
- ouvia e gravava cassetes de música
- via e gravava cassetes de vídeo
- tinha um walkmam
- falava num telefone com um disco que se rodava para marcar os números (deste tenho saudades!)

Que eu sou do tempo dos dinossauros!!!! Para ele nada disto existiu verdadeiramente, fará parte daquelas coisas longínquas das quais ouvimos falar mas nunca vimos ou usamos. Neste aspecto, é bem verdade que os filhos nos fazem ficar velhos.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Como é que se faz

Imaginem um traquina muito lindo que
- de vez em quando quer mexer em tomadas,
- outras vezes quer pôr-se de pé na cadeira da papa depois de se conseguir esquivar dos cintos,
- quase sempre não quer deitar-se para mudar a fralda ou vestir-se,
- evita a todo o custo sentar-se na cadeira do carro (embora depois vá lá muito bem e até goste),
- etc...
O que é que vocês fazem? Optam pelo "Não" bem vincado, cara feia e ponto final? Ou optam por lhe explicar com todas as letras que não pode fazer aquilo e porquê? Isto de educar tem muito que se lhe diga... qual resulta melhor tendo em conta que ele tem 14 meses? E qual resulta melhor a longo prazo? Alguém tem a solução mágica?

Ah! E parabéns meu traquina lindo pelos 14 meses hoje.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Queijinho é bom

No sábado dei-lhe um prato de massa. Pus o prato à frente dele e deixei-o comer à sua vontade. Comeu muito direitinho e sem desperdiçar nada. Comia cada massinha na sua vez e nenhuma caia para fora da boca ou do prato. Muito bem.

Ontem dei-lhe um prato com uma fatia de queijo flamengo cortado aos quadradinhos. Quando olhei para ele tinha 5 ou 6 quadradinhos de queijo na boca. Já não havia por onde meter mais queijo naquela boca! Parecia que o queijo lhe ia fugir e que tinha que o devorar depressa antes que um extraterrestre vindo de um qualquer planeta longínquo lho roubasse.

Parece que apesar de gostar de massa, o queijo é que é bom! Tem a quem sair. Só tem que aprender que tem tempo e que a comida não foge do prato.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Tantas visitas!

Desde 5ª feira que andamos numa roda viva!
Ora foram os primos que chegaram do Brasil para férias e que encantaram o João com a sua simpatia e que lhe trouxeram um trenzinho (ler em brasileiro) gigantesco que lhes deve ter ocupado uma mala inteira.
Ora foram as amigas da mãe que estavam cheias de saudades do João e vice versa. E vimos a linda L que está enorme para os seus dois anos e meio e a simpática M que está mais pesada que o João e tem menos quatro meses!!! Uma fofura aquelas pernas, apetece trincar!!! Enfim, foi uma animação (e uma confusão, mas das saudáveis).
E para o próximo prevê-se fim de semana em grande com a outra M. e os pais lá pelas nossas terras (ainda) mais nortenhas. Ainda falta muito para lá chegar??

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Noites agitadas

A noite passada foi bastante agitada. Desde as 21h30 até à 1h dormia 20 minutos e acordava a chorar desesperado. E até adormecer mais uma vez rebolava na cama e choramingava, sempre de olhinhos fechados (tal era o sono). Acabei por lhe dar Ben-u-ron, deitei-o em cima de mim como quando era (mais) pequenino e ele adormeceu mais tranquilamente. Era 1h da manhã e já estavamos todos de rastos. Depois desta hora, com excepção de uns gemidos que passavam imediatamente, até dormiu bem na sua cama.

Esta noite dormiu tranquilamente das 21h40 até às 7h45. Como sempre faz. Como se nada se tivesse passado ontem.

Prógnóstico: um dentinho (ou mais) que deve estar a romper. O processo tem sido o mesmo que das outras duas vezes*: rabinho assado uns dias, uma ou outra noite muito agitada, e voilá! Um dentinho! Ainda não o vejo ou sinto mas sei que daqui a uns dias lá estará. Qual será? Aceitam-se apostas!

*devo recordar que apesar de ter 6 dentes, só passou por isto duas vezes: quando nasceu o primeiro e quando nasceram os outros cinco em simultâneo. Nem me quero lembrar!!!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Saudades do João

De manhã é a correria. Banho, vestir, tomar pequeno almoço, ocasionalmente estender roupa, acordar o João, vesti-lo, dar-lhe o leite, não esquecer da mochila, da chupeta, do chapéu, enfim. Ninguém deveria ser obrigado a lembrar-se de tanta coisa logo de manhã.

Durante o dia é a correria para pôr em ordem dois meses de ausência do escritório. A minha substituta é competente, mas tenho que rever TUDO o que ela fez em acumulação com o trabalho actual.

Ao final da tarde correria para chegar à baixa e arranjar um lugar para estacionar que não seja num daqueles parques que me cobra 2,50€ à hora. Quase que fica mais caro o parque de estacionamento do que a fisioterapia. Segue-se a fisioterapia, sempre com vontade que acabe mais cedo do que deve.

Por volta das 20h apanho o João em casa do meu pai e rumo até casa, onde o pai também está a chegar. É a correria outra vez. Banho e jantar do João, nosso jantar muitas vezes comprado ou aldrabado para ser mais rápido, e já são horas do João dormir.

E brincar com o pai e a mãe? Pois, não há tempo. Não estou a gostar nada deste ritmo. Estou ansiosa que acabe a fisioterapia para voltar a ter mais tempo para ele. Principalmente depois de 1 mês inteiro com ele, sinto a falta de brincar com ele. E ele sente isso, claro. desforramo-nos no fim de semana, mas é tão pouco para o que ele merece...

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Andar

Com 13 meses o João ora dá uns passos muito direitinhos uns atrás dos outros... ora tropeça nos próprios pés e anda todo trapalhão. Sempre agarrado a nós. Só anda bem de lado e agarrado ao sofá ou aos móveis.
O pediatra arriscou que ele andaria por volta dos 14 meses, mas não sei não! Também não temos pressa! Já vimos a rapidez com que ele gatinha, nem queremos imaginar como vai ser quando aprender a andar e a correr.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

"Quem disse que eu não gostava de brócolos?"

Ontem ao jantar houve ovos mexidos com brócolos para o mais pequeno lá de casa. Estranho? Eu também acho, mas o pequeno até gostou bastante. E era a coisa mais rápida de fazer que envolvesse algumas proteínas e legumes :-)

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Fomos de férias

Estivemos com família e amigos e foi bom. Passeamos, fomos à praia, comemos bem, fizemos compras, fomos ao parque, "piquenicamos" como tanto gostamos, vimos as gaivotas e outros bichos, enfim... divertimo-nos.
Os horários ficaram todos trocados (os dele e os nossos) e o regresso de hoje à escola foi mais difícil. Atirou-se paa os braços da educadora como se a tivesse visto ontem (isto é, não estranhou nada), mas quando o pai virou costas começou a pedir-lhe colo... ai as saudades!

Querem ver como estivemos estes dias?