segunda-feira, 4 de julho de 2011

Praia e segurança infantil

O João começou hoje a praia. Não é um rico dia, é certo, mas para eles está bom. O que interessa é brincar ao ar livre e sair da rotina.

Noutro dia questionei a Directora da creche sobre como seriam transportados os meninos para a praia. Disse-me que tinham cadeiras próprias para o efeito, que os mais pequeninos nem iam no autocarro mas sim na carrinha de 9 lugares deles (eles são 14 na sala de 1 ano, como pode???) e que ficasse descansada que a segurança para eles era essencial. Não fiquei descansada. Acho que a Directora, ao contrário da Educadora, é o que se pode chamar de fogo de vista: parece muito cautelosa, muito interessada, mas grande parte é conversa. Aproveitei para oferecer a cadeira do carro o Avô (que faz menos falta) para levar o João e a Directora ficou de me avisar caso fosse preciso.

Hoje fiz questão de esperar que os meninos saíssem da creche para o autocarro e a carrinha para ver como iam. E claro que só não adivinho o Euromilhões. Ele ia num banco elevatório, com o cinto da carrinha posto (apenas a parte de baixo). A educadora viu-me a espreitar, saiu da carrinha e começou a falar de trivialidades. Deixei-a falar à vontade a ver se referia o assunto. Não referiu. Disse-lhe então que o a cadeira do João não era apropriada ao peso e idade do João e que ele não viajaria assim. Pediu imensa desculpa que a culpa era dela que se tinha esquecido de me pedir a cadeira na 6ª feira e que não quis incomodar no fim de semana. Incomodar? A segurança do meu filho nunca incomóda, foi o que lhe respondi. Percebi logo que o objectivo era manter aquela cadeira para ver se colava, e caso eu me queixasse já tinham esta desculpa.

Por este ano o assunto já está resolvido e ele vai na cadeira do Avô, mas sei que no próximo ano vai ser uma luta para colocar a cadeira no autocarro. Pelo que pude ver nenhum menino tinha cadeira do grupo 1 ou 1/2/3 ou até 2/3 no autocarro. Eventualmente teriam os banquinhos elevatórios, mas não consegui ver. Mas havia meninos da sala do João naquele autocarro. Com um ano. Apenas 5 iam na carrinha de 9 lugares. Algum pai ou mãe se importou? Não. :-(

É o que eu lamento naquela creche. Gosto muito da educadora e da auxiliar e sei que o João é muito bem tratado. Caso contrário não ficaria todo contente na creche nem chamaria por elas todo feliz quando as vê. Mas... estas pequenas (grandes) coisas eram de evitar. Eu sei que dá trabalho tirar e pôr as cadeiras todos os dias (a carrinha é utilizada também para ir buscar crianças grandes do ATL), mas é a segurança das crianças que está em jogo. E é para isso que eu pago. E as coisas acontecem...


(E depois lembro-me das minha próprias viagens para a praia com a creche ou os passeios da escola... iamos 3 num banco para 2. Cintos? O que era isso? Cadeiras? Sim, os meus pais tinham para nós, mas não era muito comum. Mas não estou a ser exagerada, pois não? Eu sei que não, é a segurança do João.)

6 comentários:

Paula Matos disse...

Desculpa Gambozina, mas que creche +e?

Patricia disse...

Infelizmente já ouvi falar de muios casos semelhantes. Pior. Conheço alguém que tem um infantário perto de minha casa e que nem carrinha tem. Pede emprestada para a altur da praia. E como viajam as crianças? Pois, nem comento... Fizeste bem em estar atenta e em não facilitar. Bjs

Gambozina disse...

Olá Paula,
Será possivel dar-me o teu e-mail para te responder? Acho que não o devo fazer aqui :-)
Obrigada!

Olá Patricia,
É mesmo. Na creche do João eu acho que há pessoas sensatas, e de uma forma geral estou satisfeita. Mas há coisas que tenho que estar mais atenta.
Beijinhos à Maria.

Pat disse...

Pois eu acho que segurança acima de tudo!! Fizeste muito bem e até me deste ideias: tb vou esperar no 1º dia de praia para ver como são transportados, até porque tb ofereci a cadeirinha e a resposta foi igual.
Depois conta como é que correu o 1º dia! bjinhos

Cati disse...

Não me parece que tenhas sido exagerada! E ainda te digo mais: no outro dia estava aqui por casa a sentir-me culpadíssima por não ter comprado a cadeira para o carro no sentido contrário da marcha. Comprei uma adequada ao peso e à idade, mas é virada no sentido da marcha. Agora sinto-me culpada, ando a ler blogues onde as mães e os especialistas juram a pés juntos que as crianças devem ir de costas até aos 3 ou 4 anos. :(((((

Pelos vistos as pessoas aí da creche não se sentem mesmo nada culpadas... as crianças até podem ir sem cadeirinha...

Ando assim "a modos que" angustiada com isto...

Beijoca*

Paula Matos disse...

Sim Gambozina escreve por favor para paula.oliveira.matos@gmail.com
ainda não meti a Mafalda no infantário, em principio so irá aos três, mas já reparei que devemos morar pela mesma zona (praias de gaia, parque da lavandeira etc...) e provavelmente até já fui visitar a tua creche e seré uma das opções. beijoca