quinta-feira, 22 de outubro de 2009

E aos três meses...

... ainda fico estonteada com a velocidade a que este rapaz cresce!

Hoje, para celebrar o seu "mesário" resolveu dormir até às 8h45. Será que vai ser para continuar?? Se for até às 7h15 como costuma já não me queixo, mas se quiser dormir mais um bocadinho eu até nem me importo!

De resto:

-continua sorridente, mas só quando lhe apetece.

-derrete-se para o pai e para o avô... e eu que passo o dia com ele, a tratar dele, a dar mimos sou marginalizada mal um deles chega ;-)

-gosta muito de companhia e resmunga sem parar se o deixo sózinho (o que não é nada prático quando há casa, almoços, jantares, etc, mas...)

-já não chora com fome, chora quando o deixamos sózinho ou com birrinha de sono. Enquanto que a primeira é fácil de controlar, a segunda exige mais paciência.

-dorme cerca de 7h30 seguidas na caminha dele e nem precisa de ajuda para adormecer: basta desligar a luz e a televisão que o rapaz em 5 minutos está a dormir. Apenas um senão, não consigo que ponha as mãos debaixo dos lençóis. Mal adormece tento tapá-las, masele faz tudo para as destapar. Resultado: mão completamente geladas de manhã! Alguma sugestão?

-continua a adorar o banho e particularmente lamber a cara ou as mão para beber aquela água tão deliciosa ;-)

-come bem, mas continua a bolsar bastante. Mamãs experientes, quando é que eles costumam deixar de bolsar?

-não tem ainda qualquer controlo sobre as mãos, mas se tivesse... Debruça-se todo para tentar alcançar os bonecos e olha para eles como se dissesse "Ai se eu te conseguisse apanhar!!".

-fala imenso connosco, nós é que não percebemos nadinha! Mas o problema é nosso, de certeza. Ainda não o sintonizamos no canal certo.

Está tudo bem!
(Mas hoje vamos ao pediatra confirmar aquilo que vemos todos os dias)

2 comentários:

Pat disse...

tudo nos conformes portanto!! :)
Se alguém souber uma dica para a questão das mãos geladas, também quero saber!! qualquer dia calço-lhe umas luvas!! :)

Eu disse...

o D. tb adora dormir de braços de fora, conclusão, tal como o teu acorda de mãos geladas. Como não consigo tapa-las, nem mesmo se for de hora-em-hora tapa-lo, resolvi calçar-lhe luvas.